Conecte-se conosco
PUBLICIDADE

Economia

Bolsonaro prorroga auxílio emergencial, mas reduz valor para R$ 300

Publicado

em

Benefício terá parcelas estendidas até dezembro, com metade do valor pago até agosto. Em anúncio, governo diz que proposta de reforma administrativa será enviada ao Congresso

São Paulo – O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta terça-feira (1º) que irá prorrogar o auxílio emergencial por quatro meses, mas reduzirá o valor para R$ 300, metade do valor pago até agosto. Em pronunciamento à imprensa, logo após reunião no Palácio da Alvorada com deputados e senadores da base governista, Bolsonaro declarou que a decisão atendia ao Ministério da Economia e estava apoiada na responsabilidade fiscal.

O valor e o período de extensão já tinham sido definidos pelo presidente e pelo ministro Paulo Guedes nesta segunda-feira (31). O governo estava autorizado a prorrogar o auxílio emergencial até pelo menos o final do ano, enquanto durar o estado de emergência imposto pela pandemia do novo coronavírus. Mas não tinha a autorização para reduzir o valor.

Bolsonaro agora deve enviar uma medida provisória (MP) ao Congresso para fixar a mudança e a prorrogação. A Câmara ainda pode alterar o valor, como fez quando o auxílio emergencial foi aprovado. Inicialmente o governo queria dar R$ 200, mas a oposição conseguiu aumentar para R$ 600.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já sinalizou, contudo, que deve aceitar a proposta do Executivo.

Guedes, que também acompanhava o pronunciamento desta terça, ressaltou que junto à decisão sobre o auxílio emergencial, o governo também “sinalizou para o futuro com a retomada das reformas”. O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-RR), acrescentou que a proposta de reforma administrativa será entregue nesta quinta (3) ao Legislativo.

O anúncio do valor e da extensão do auxílio também ocorreram logo após a divulgação do tombo no PIB. Apesar de ter sido uma proposta finalizada e incrementada pelo Congresso Nacional, Bolsonaro vem contabilizando créditos políticos em cima da verba emergencial. Desde então, o governo também vem aventando a criação do programa Renda Brasil, um projeto de substituição do Bolsa Família.

Fonte:https://www.redebrasilatual.com.br

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Facebook