Documentário resgata a trajetória de aldeia urbana e da primeira cacique mulher de MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Material foi gravado na comunidade e será disponibilizado no Youtube da Reme

Primeira aldeia urbana do País, a Marçal de Souza é um marco para a história indígena de Mato Grosso do Sul. Em celebração às mais de duas décadas de criação da comunidade, o professor de artes visuais Diogo Ajala, 30 anos, decidiu gravar um videodocumentário com depoimentos de descendentes e personalidades da aldeia. O material intitulado “25 anos – Aldeia Urbana Marçal de Souza” será disponibilizado no YouTube.  

“Não tem como fazer isso sem falar com a principal personagem, que é a Enir da Silva Bezerra, conhecida como Enir Terena, porque ela que teve essa iniciativa de ir para aquela região e montar a aldeia ali. A região já era deles, mas não estava em uso até aquele momento”, conta Ajala.  

Além de fundadora da aldeia, Enir foi a primeira cacique mulher de Mato Grosso do Sul. Uma referência de atuação mesmo após seu falecimento, em julho de 2016. “Acredito que ela tenha sido a primeira cacique mulher do País”, explica Ajala.  

Para contar a história de Enir e da aldeia, Ajala entrevistou, principalmente, a filha mais velha da cacique, Maria Auxiliadora Bezerra, 48 anos. “Já fiz muitas participações em documentários e outras atividades, porque é algo que minha mãe nos ensinou: que devemos nos afirmar como indígenas e ter diferentes pontos de vista. Sempre atendemos muitos acadêmicos, pesquisadores, até para termos nossa história documentada também”, explica Maria Auxiliadora.

Irmã mais velha de sete irmãos, Maria Auxiliadora é uma das vozes atuantes da aldeia urbana.  

Durante os 25 anos da comunidade, ela lembra de vários detalhes, inclusive de como foi a ocupação do território. “A [aldeia urbana] Marçal nasceu pela necessidade de moradia de várias famílias. Minha mãe conhecia várias famílias que viviam nessas dificuldades em Campo Grande. E nós não éramos diferentes. Tinha moradores de diferentes bairros que vieram para cá”, explica Maria Auxiliadora.  

A filha mais nova de Enir tinha menos de dois anos na época. “Uma das coisas que eu lembro é que, quando minha mãe veio para cá, ela não trouxe minha irmã mais nova, porque ela era muito pequena e no início eram apenas barracos. Então eu que trazia ela para dar de mamar”, relembra.  

Segundo Maria Auxiliadora, o pedido de realizar o documentário surgiu da própria comunidade. “Esse documentário foi um pedido do próprio cacique. A Secretaria Municipal de Educação atendeu, fez o levantamento, colheu os depoimentos e editou o material”, explica Maria Auxiliadora.

O documentário seria lançado amanhã para a aldeia, mas a exibição acabou sendo adiada. De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Educação, apesar da mudança, o material já está em exibição na TV Reme (Rede Municipal de Ensino), canal 4.2, e ficará disponível no YouTube oficial da Reme.  

Comunidade

De acordo com Ajala, atualmente moram 220 famílias na Aldeia Urbana Marçal de Souza. “Todos da etnia terena, mas o entorno já se misturou com o homem branco. Essa que é a principal característica, e o diferencial, da aldeia, a proximidade dela com outros bairros de Campo Grande, com outras comunidades”, explica o diretor do documentário.  

Em razão dessa proximidade, a luta para manter as tradições acaba sendo ainda mais importante. “Esse que é o principal fator pelo qual eles lutam lá: eles são indígenas morando dentro da cidade. Eles têm todo o acesso à tecnologia e às mudanças da sociedade contemporânea. Os smartphones, o acesso à internet, foi tirando os rituais que outrora tinham, então eles lutam para manter a cultura e os modos deles de celebrar e de viver”, frisa.  

Segundo Ajala, o Memorial localizado na Aldeia Marçal de Souza acaba desempenhando o papel de guardar essa memória. “O Memorial que eles têm bem no meio da aldeia: é ali que eles guardam os artesanatos, as obras, as próprias fotos da Dona Enir, que para eles é um símbolo de autoridade e tem todo esse sentido de manter a cultura e toda essa liderança para eles”, pontua.

Maria Auxiliadora é filha da primeira cacique mulher do Estado – Divulgação
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Never miss any important news. Subscribe to our newsletter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande