Em um ano, pastor Anderson foi internado quatro vezes por envenenamento

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

As internações ocorreram entre 2018 e 2019

A deputada Flordelis tentou envenenar seu marido, Anderson do Carmo, seis vezes entre 2018 e 2019, é o que aponta o Ministério Público do Rio de Janeiro.

De acordo com publicação da CNN, no inquérito policial sobre a morte de Anderson, é possível observar quatro laudos com diversos atendimentos de Anderson em um Hospital em Niterói, no Rio.

No inquérito existe o registro de entrada da vítima no Hospital Niterói D’or, sendo duas internações e oito atendimentos de urgência. Conforme a emissora, foram quatro atendimentos seguidos de laudos médicos: em 6 de maio; 21 de maio; 9 de julho e 07 de outubro – todos em 2017.

Ao longo do tempo, Anderson foi internado outras vezes. O pastor apresentou vômito, febre e diarreia no dia 9 de outubro de 2018, segundo o registro médico essa era a terceira vez que Anderson apresentava os mesmos sintomas.

O tratamento ministrado foi de “gastroenterite aguda” que, para a vítima, era uma crise de ansiedade.

Para o MO-RJ e a Delegacia de Homicídios de Niterói e região, Flordelis colocou arsênico, uma substância tóxica, na comida ou bebida do esposo. Uma testemunha revelou, em depoimento, ter visto a deputada misturar a substância em um suco de laranja.

Familiares da vítima foram cumplices nos episódios de envenenamento. O filho do pastor, Carlos Ubiraci Francisco Silva, orientou uma pessoa, hoje testemunha, para não ingerir os alimentos que o pai comia, pois, a esposa de Carlos teria passado mal após beber um pouco da bebida de Anderson.

Conforme a CNN, Floderlis orientou seu filho André Luiz de Oliveira a fazer com que Anderson ingerisse alguns alimentos, “faça ele comer e beber alguma coisa. Um arroz fresquinho com um franguinho que não faz mal. Só isso”, disse a deputada em mensagens trocadas em 2018.

As filhas Marzy Teixeira da Silva e Simone dos Santos Rodrigues foram as responsáveis por buscar informações sobre o veneno na internet, além de colocar o produto na comida de Anderson.

André Luiz de Oliveira, outro filho, foi responsável por incentivar o pastor a comer os alimentos envenenados, de acordo com o inquérito. Carlos, André, Simone e Marzy foram presos nesta segunda (24) na Operação Lucas 12.

Os laudos médicos, cruzados com as trocas de mensagens, endossam a acusação contra Floderlis por tentativa de homicídio, homicídio, falsidade ideológica, associação criminosa e uso de documento falso.

Para Anderson Rollemberg, advogado da parlamentar, “os elementos não são suficientes para que seja denunciada. Existe uma ilação, uma ginástica muito grande para colocar a deputada como mandante. A defesa está pasma com o que viu”.

O assassinato de Anderson do Carmos ocorreu em junho de 2019, após ser atingido por trinta tiros em Niterói. Flordelis é acusada de ser a mandante da morte do esposo por desavenças financeiras e familiares.

Fonte: Mídiamax

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Never miss any important news. Subscribe to our newsletter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande