Conecte-se conosco
PUBLICIDADE

Campo Grande

Esperado há 40 anos, moradores do Nova Campo Grande comemoram chegada do asfalto

Publicado

em

Quando chegou à região do Bairro Nova Campo Grande, o aposentado João Gamarra era um rapaz de 24 anos. Já se passaram 40 anos e finalmente, ano que vem o asfalto passará em frente da sua casa na Avenida 7, com as obras programadas para o bairro que começarão em outubro. Serão investidos R$ 40,3 milhões na execução de 20 de quilômetros de pavimentação de 24 ruas, 9 km de recapeamento, além de 16 km de drenagem.

A área abrangida pelo projeto também vai receber rede de esgoto e sinalização do trânsito. O prazo de conclusão das obras é de um ano. As duas vias que atravessam o bairro, a Avenida 7 (onde mora o senhor João) e a Avenida 2 serão recapeadas e duplicadas.

A Avenida 7 será estendida até o Polo Empresarial Oeste, onde muitos moradores da região trabalham. O polo tem 46 empresas funcionando (há outras 12 em instalação) que geram 2.500 empregos. Está prevista também a construção de uma ponte de concreto de 40 metros sobre o córrego Imbirussu.

“Quando cheguei aqui, praticamente não tinha nem rua, só havia uma trilha como acesso. A chegada do asfalto vai nos colocar no mapa da cidade”, relata em tom nostálgico João Gamarra. Em 2014, ele e um grupo de 15 moradores se juntaram para construir uma passarela de madeira sobre o córrego Imbirussu.

Há três anos a passarela improvisada foi substituída por uma passarela metálica para pedestres e os ciclistas que se dispuserem a carregar a bicicleta na travessia. Quem vai trabalhar de carro ou motocicleta no polo empresarial precisa dar uma volta de 6 km pela Avenida Duque de Caxias.

Dolores Rocha

Assim como o aposentado João Gamarra, boa parte dos 40 mil moradores da região vive a expectativa do início das obras. É o caso da dona de casa Dolores Rocha Costa, que há 15 anos convive com os transtornos da falta infraestrutura. Quando chove, a Avenida 7 se transforma em um “rio” de enxurrada que inúmeras vezes alaga sua casa danificando móveis.  Outro problema é decorrente das características do terreno, onde mina água a 1,5 metro de profundidade. “Na época da chuva, a fossa séptica transborda e não é toda hora que a gente tem R$ 200,00 para pagar o esvaziamento”, conta.

O gerente do maior supermercado do bairro, Flávio Aranda, que também mora no Nova Campo Grande, convive duplamente os problemas da falta de estrutura,  em casa e no local de trabalho. “Neste período de seca a situação é relativamente tranquila. Mas na época da chuva, para que a enxurrada não alague o mercado, improvisamos barricadas com sacos de areia. Outra dificuldade é a manutenção dos banheiros. “Duas vezes por semana há necessidade de fazer o esvaziamento das fossas”, informa.

Emerson de Jesus

O microempresário Emerson Jesus, que mora na Rua 50 e tem uma oficina mecânica no local, vê na chegada do asfalto a possibilidade de aumentar a clientela e em consequência, investir em seu negócio. Emerson se mudou para o Nova Campo Grande há mais de 20 anos.

Ordem de serviço

Com a homologação do resultado da licitação, o passo seguinte é firmar o contrato com a empresa e em seguida a assinatura da ordem de início de serviço pela Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos. A obra vai beneficiar aproximadamente 20 mil habitantes do Nova Campo Grande e dos bairros do entorno como a Vila Serradinho, Jardim Carioca e Residencial Nelson Trad.

Durante a execução das obras drenagem e pavimentação, a Águas Guariroba vai implantar a rede de esgoto, eliminando os problemas com o transbordamento das fossas sépticas, que gera gastos com frequentes esgotamentos.

O secretário de obras Rudi Fiorese explica que o projeto de infraestrutura do bairro é uma obra complexa. “Será preciso recorrer a algumas soluções de drenagem de alto custo, dreno profundo, implantação de colchões ‘drenantes’. Para ter a ideia da diferença de custo, com o recurso que será aplicado no Nova Campo Grande, pouco mais de R$ 40 milhões, seria possível executar duas etapas do Bairro Nova Lima, com mais de 45 km de pavimentação”, explica.

O que será feito na região:

Investimento – R$ 40.370.182,03

Drenagem – 16 km

Área de pavimentação – 20 km

Recapeamento – 9 km

Ruas que receberão intervenção:

Etapa A

Pavimentação: Avenida 4 – Ramo A e B, Avenida 4 – Leste e Oeste, Avenida 10, Avenida Amaro Castro Lima, Avenida Wilson Paes de Barros, Rua 24, Rua 46, Rua 47, Rua 48, Rua 49, Rua 50, Rua 51, Rua 52, Rua 53, Rua 54, Rua 55, Rua 56, Rua 60, Rua 62 e a Rua 76.

Recapeamento: Avenida 10 e Rua Antonio Vieira de Mello, Avenida Amaro Castro Lima, Avenida Wilson Paes de Barros, Rua 26, Rua 57, Rua 60, Rua Emilia Teodora de Souza, Rua Felipe dos Santos e a Rua Teófilo Otoni (Antiga Rua Piraí).

Etapa B

Pavimentação: Avenida 2 – Via e Estacionamento, Avenida 3, Avenida 7, Avenida Amaro Castro Lima e a Rotatória 1.

Recapeamento: Avenida 2 e Avenida 7, Avenida Amaro Castro Lima

Construção da Ponte de 40 metros sobre e o Córrego Imbirussu, na Avenida 7.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Facebook