Família pede por sigilo em processo e é marcada 1º audiência de assassino de Carla

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Marcos André está preso no IPCG (Instituto Penal de Campo Grande)

Foi marcada a 1º audiência do assassino de Carla Magalhães Santana, que foi morta e teve o corpo encontrado em frente a uma conveniência no bairro Tiradentes, próxima a casa onde morava com a família. Ela havia desaparecido no dia 30 de junho.

A designação da audiência foi proferida nesta segunda-feira (24), com data para o dia 8 de setembro às 13h30, por videoconferência quando serão ouvidas as testemunhas de acusação. A família de Carla ainda entrou com um pedido na Justiça para que o processo seja mantido em sigilo.

O pedido foi feiro pela mãe da jovem, que argumentou que pelo modo como sua filha foi assassinada é necessário se manter o processo restrito para que não agrida ainda mais a imagem e memória de Carla.

Marcos André foi preso logo em seguida ao assassinato e confessou o crime.  O assassino revelou ter sofrido ‘apagões’ e se lembrava apenas de ter desferido uma facada no pescoço da vítima, pois supostamente, estaria embriagado. No entanto, ele lembrava claramente da dinâmica dos fatos e não estaria bêbado.

No dia em que sequestrou Carla, ele foi até a casa do ex-patrão para pedir um cadeado logo após matá-la. No local, na mesma região, Marcos foi recebido com uma negativa do ex-patrão, que afirmou estar tarde e que resolviam o problema do cadeado no dia seguinte. Ainda, na ocasião, chegou a comentar que teriam sequestrado “uma menina lá do lado de casa”. O ex-patrão teria dito que seria então mais um motivo para que ele retornasse para residência, caso precisassem dele.

Desaparecimento

Carla estava desaparecida desde o dia 30 de junho, quando saiu para ir a um mercado na companhia de uma amiga. No dia do sequestro ela teria gritado por socorro antes de ser levada. A mãe da jovem estava assistindo televisão quando ouviu os gritos e ao sair, Carla já tinha sido levada.

A polícia investigava o sequestro e câmeras de segurança que ficavam em uma padaria já tinham sido analisadas, mas como as imagens estavam prejudicadas, não tinha como ver se realmente um carro havia levado a jovem.

O corpo de Carla foi deixado em frente a uma conveniência, sem roupas, e com perfurações de faca no pescoço, no dia 3 de julho. Marcos foi preso por equipes do Batalhão de Choque na noite da última segunda-feira (13) por volta das 22 horas. Ele teve a prisão decretada pela Justiça. Na casa foi encontrado um lençol sujo de sangue ao lado de um fogão e uma máscara suja de sangue.

Em depoimento, Marcos teria relatado apagões. Ele dizia se lembrar apenas que deu um mata-leão na jovem, arrastado ela para dentro de casa e desferido a facada. Depois escondeu o corpo debaixo da cama e passou a beber pinga.

Fonte: Mídiamax

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande