Governo adere à campanha “Sinal Vermelho” contra a violência doméstica

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Uma campanha nacional de ajuda a vítimas de violência doméstica em tempos de pandemia: essa é a “Sinal Vermelho”, lançada em todo o país no dia 10 de junho. Em Mato Grosso do Sul, ela está sendo desenvolvida pela Coordenadoria da Mulher do Tribunal de Justiça e conta com a parceria do Governo do Estado, por meio da Subsecretaria Estadual de Políticas Públicas para Mulheres.

A juíza Helena Alice Machado Coelho, que responde pela Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar em Mato Grosso do Sul, explica o objetivo da campanha. “É uma iniciativa da AMB [Associação dos Magistrados Brasileiros] em parceria com o CNJ [Conselho Nacional de Justiça], e tem como objeto incentivar que as mulheres vítimas de violência doméstica procurem uma farmácia com um X vermelho na mão e o exibam ao atendente ou farmacêutico. Este, por sua vez, acionará a polícia pelo telefone 190″, afirma.

Ele diz ainda que a ação é uma resposta conjunta de membros do Poder judiciário ao aumento da violência doméstica em razão da pandemia. “É importante ressaltar que os profissionais que trabalham nas farmácias não serão levados à delegacia como testemunhas do crime”, acrescenta.

A subsecretária estadual de Políticas Públicas para Mulheres, Luciana Azambuja, manifesta adesão à campanha, destacando que “o X vermelho na mão é uma forma da mulher pedir ajuda, sem precisar de palavras”. “Em tempos de pandemia, quando a convivência familiar está ampliada e o agressor está sempre por perto, ter códigos silenciosos é muito importante. Nós apoiamos a iniciativa, que vem para oferecer mais proteção às mulheres”.

Para o secretário de Governo e Gestão Estratégica de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel, a iniciativa reafirma a posição do governo quanto ao enfrentamento à violência de gênero. “Essa questão é vista por nós como uma política de Estado, que deve ser tratada de forma transversal, com participação de todas as pastas e com esforços de todos nós, para a erradicação da violência contra as mulheres e para a construção de uma sociedade mais justa e mais igualitária. Nossos parabéns ao CNJ e AMB pela iniciativa”.

Primeiros resultados

Na semana passada, a Polícia Militar foi acionada, por meio do Promuse (Programa Mulher Segura), para atender uma mulher que estava sendo mantida em cárcere privado e em violação de direitos, graças a uma foto enviada para um familiar, com o X vermelho na mão.

 Jaqueline Hahn Tente, Secid

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande