Jatinho que levaria Lucas Veríssimo e agente de Jorge Jesus para Portugal foi interceptado com 500 quilos de cocaína

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

O jatinho que levaria Lucas Veríssimo, ex-Santos, para Portugal foi interceptado pela polícia em Salvador com 500kg de cocaína. O destino era o aeroporto de Tires, em Cascais. Outros na lista inicial de passageiros eram Bruno Macedo, agente de Jorge Jesus, e Hugo Cajuda, de Abel Ferreira. A informação foi publicada pela imprensa portuguesa e estampou a capa do Correio da Manhã. A Polícia Federal abriu investigação.

A mais recente contratação do Benfica, Lucas Veríssimo figurava na lista de passageiros mas, por causa das restrições aéreas entre Brasil e Portugal, em função da pandemia do novo coronavírus, ele acabou fazendo a viagem em voo comercial, passando pela França.

O Benfica confirmou que Veríssimo estava na lista, mas que o clube optou por comprar passagem em um voo comercial, via Paris. Lucas Veríssimo chegou em Portugal no dia 7 de fevereiro.

No dia 9, depois de um “alerta”, a Polícia Federal do Brasil apreendeu meia tonelada de cocaína na fuselagem do avião privado. Segundo a PF, após o piloto acusar a ocorrência de alerta de pane durante o voo para a capital baiana, em voo anterior, mecânicos inspecionaram a aeronave e acabaram encontrando parte da droga. Acionaram, imediatamente, a Polícia Federal.

Com o auxílio de Peritos Criminais Federais e de cães farejadores da Polícia Civil, foram localizados outros esconderijos onde estava o restante da droga.

A droga foi encaminhada à Superintendência Regional da Polícia Federal, para onde também foram conduzidos os três tripulantes, a fim de prestarem depoimento.

Quem também estava na lista de passageiros era João Loureiro, ex-presidente do Boavista, que já foi ouvido pela PF na qualidade de testemunha. Segundo a PF, o depoimento do ex-presidente do Boavista, durou cerca de quatro horas. Fotos de mensagens de seu celular foram feitas pela polícia para averiguação.

Ele não ficou retido, assim como nenhum tripulante ou passageiro. O português explicou que viajou ao Brasil no dia 27 de janeiro com o objetivo de “auxiliar um grupo empresarial”.

Ao programa ‘Liga D’Ouro’, do canal CMTV, João Loureiro disse que consentiu a extração de mensagens. Ele teria enviado uma mensagem ao comandante do avião, via ‘WhatsApp’, pedindo que “houvesse bastante atenção na inspeção da carga do avião” no possível regresso a Portugal.

— Parece que vivi um thriller — disse ele ao programa televisivo.

Segundo a PF, as investigações prosseguirão para identificação dos responsáveis pela carga ilícita, que poderão responder pelos crimes de tráfico internacional de drogas e associação para o tráfico, previstos nos artigos 33 e 35 da Lei 11.343/2006, cujas penas, somadas, podem chegar a 25 anos de reclusão.

O Globo

Fonte: Brasil News 1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande