Porte físico e distância percorrida explicam como agiu o assassino de jovem

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Marcos André Vilalba de Carvalho está preso pelo crime, cometido duas semanas atrás

Assassino confesso de Carla Santana Magalhães, o servente de pedreiro Marcos André Vilaba de Carvalho, de 21 anos, tem pelo menos 1,80 m de altura, e compleição física bem maior do que ela. Pesa mais de 80 quilos.


Essa não é uma descrição física aleatória e sim elemento relevante para a investigação sobre o feminicídio da jovem, pelo qual Marcos André está preso desde esta terça-feira(14).


Ouvindo fontes da área policial, o Campo Grande News levantou que o servente de pedreiro tem “plenas condições” de ter agido sozinho no crime. Carla, a vítima, era uma mulher de compleição física pequena, com pouco mais de 47 quilos e não chegava a 1,60 m de altura.


“São duas bolsas de cimento de 25 quilos, que é o que qualquer homem carrega”, compara um dos profissionais procurados.


Outro, atuante na área de perícia criminal, disse que ser “perfeitamente viável” para alguém do tamanho de Marcos André dominar a jovem sozinho e levar para a casa dele, a menos de 10 metros da residência de Carla.
“Ele pode ter aplicado um mata-leão”, cita um terceiro. Há, em vídeo com os gritos dela, evidências se que a voz dela foi sufocada.

O delegado responsável pelo inquérito, Carlos Delano, durante a entrevista coletiva que deu sobre o caso ontem, disse que o inquérito ainda não está fechado, que não exclui a possibilidade de haver envolvimento de mais alguém, mas também apontou a possibilidade de o criminoso ter agido sozinho como algo possível diante da dinâmica do crime.


Delano acentuou a diferença de porte físico, citando que a vítima era uma mulher pequena. Também lembrou a proximidade da moradia de algoz e vítima: nem 10 metros separam a casa. Outros 20 metros perfazem o trajeto até o comércio onde o corpo dela foi deixado, na varanda, três dias depois, com sinais de tortura, inclusive de violação sexual.

Mapa mostra proximidade entre casa de assassino e vítima e o local de desova do corpo. (Arte: Thiago Mendes)

Não tem carro – O delegado também evidenciou que, pelos trabalhos policiais realizados, não foi usado veículo para o ataque, como se suspeitou de início. Quando o boletim de ocorrência foi feito, apontando o rapto de Carla, foi citado um carro e essa ideia ficou no imaginário, inclusive dos próprios investigadores.


Quando foi raptada, a vítima estava no caminho de volta do mercado para casa. Gritou por socorro, apelando para a mãe e o som foi registrado por câmera de segurança próximo do local.

Na imagem, é possível ver ao fundo a luz de um farol, e segundo apurado, ele vai no sentido inverso da casa de Carla e também do assassino, para onde, ela foi levada.


Durante a investigação, os policiais traçaram um raio de 500 metros, verificaram imagens de outras câmeras, localizaram dois veículos, mas foi constatado que nenhum deles tinha qualquer envolvimento com o ocorrido.


O trabalho policial então, reduziu o raio de pesquisa, entendendo que era mesmo alguém próximo que agiu a pé.

Nos depoimentos e entrevistas informais tomadas, o vizinho há havia sido apontado como alguém “estranho”. No dia em que Carla sumiu, ficou para trás o chinelo usado por ela, o celular e o pacote de café comprado.

Foi achado no chão, perto do lugar, um cadeado. Ao mesmo tempo, verificou-se o portão vazio na casa alugada há cerca de 9 meses por Marcos André.


Equipes da DEH chegaram a entrevista-lo informalmente, mas naquele momento não figurou como suspeito direto. Ele continuou a rotina por dois dias, indo trabalhar e dormindo com o corpo da vítima debaixo da cama.


Na sexta-feira (3), diz ter saído para trabalhar e visto a movimentação de localização do corpo, mas nega se lembrar de ter colocado o cadáver ali. Alega ter tido apagões se lembrar apenas de, depois de ficar na frente de casa bebendo, ir atrás de Carla e, no dia seguinte, encontrar o corpo dela.


O rapaz afirma ser consumidor compulsivo de álcool. Ele está preso preventivamente, por feminicídio. Agora, a Polícia Civil tem 10 dias para concluir o inquérito, uma vez que se trata de réu encarcerado.

Marcos foi localizado na segunda-feira (13) por policiais do Batalhão de Choque. Ele correu para o corredor da casa ao ser abordado, os policiais entraram no lugar e encontraram com ele lençou sujo de sangue, que está sendo periciado para verificar se é de Carla.

Na quarta-feira, foi procurado pela equipe da DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídio). Primeiro, não foi achado em casa, e sim na obra onde trabalhava. Foi ao imóvel com os policiais e lá, diante das controvérsias apresentadas, acabou confessando.


A prisão preventiva foi pedida pelo delegado e acatada pelo juiz Aluizio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri. O mandado vale até 2040. 

Fonte: CAMPO GRANDE NEWS

Por: Marta Ferreira

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande