Conecte-se conosco
PUBLICIDADE

Mato Grosso do Sul

Primavera chega com muita chuva esta semana no Estado

Publicado

em

A expectativa nesta semana, com a chegada da primavera, é de mudança no clima e no tempo em todo o Estado. A sensação de calor e o tempo seco em Campo Grande devem dar lugar a um clima mais agradável, com aumento na ocorrência de chuvas e na umidade do ar.

Ainda neste mês de setembro, a tendência é de chuva frequente no sul do Estado, principalmente nos dias que antecedem o início da primavera, que começa nesta quinta-feira (22) e segue até o dia 21 de dezembro.

Os acumulados de chuva devem ficar acima de 40 milímetros, com destaque para queda das temperaturas ao longo da semana, com mínimas entre 8°C e 10°C.

Segundo a meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Andrea Ramos, as nuvens carregadas devem começar ao sul do Estado e de forma gradual, e o clima chuvoso vai se espalhar pelas outras regiões de Mato Grosso do Sul durante a semana.

“No sul do Estado haverá acúmulo de pancadas de chuva e trovoadas. Ao longo da semana, o tempo vai ser o mesmo para o restante de Mato Grosso do Sul neste mês de setembro”, explicou Andrea.

Entre quarta e quinta-feira, a previsão é de chuva e nebulosidade no período da manhã, e a partir de sexta-feira (23) até o fim de semana o tempo estará estável, sem previsão de chuvas e com poucas nuvens.

Porém, no início da próxima semana a previsão é de que volte o tempo carregado, com possibilidade de chuvas.

Com este prognóstico para o fim do mês de setembro e para todo o período de outubro, o atual clima seco no Estado deve dar lugar à umidade, em decorrência das chuvas.

“A umidade que está abaixo de 20% neste período de inverno, que tem esta característica, na primavera deve chegar à faixa de 30% a 40%. A temperatura na nova estação deve ficar em torno de 30°C no Estado”, declarou a meteorologista.

PERÍODO CHUVOSO

De acordo com o Inmet, o acumulado de chuva para este período de primavera de setembro a dezembro pode chegar até 220 milímetros por mês em todo o Estado.

Ainda em setembro, a distribuição de chuvas deve acontecer com pouco volume na região oeste do Estado.

As chuvas mais regulares têm tendência de começar a partir da segunda quinzena do mês de outubro, porém, nas regiões norte, leste, oeste e parte do nordeste, devem ficar abaixo das médias.

Segundo o Inmet, neste mês, as chuvas devem alcançar 180 mm no sul, 140 mm no norte, e de 110 a 120 mm no nordeste do Estado.

A partir do mês de novembro, haverá um aumento significativo na ocorrência das chuvas, com chance de enchentes, inundações e precipitações fortes, sobretudo nas regiões sul e sudoeste.

O acumulado de chuvas no noroeste de Mato Grosso do Sul deve chegar a 140 milímetros, e em todo o Estado a estimativa é de 180 mm.

Por fim, no mês de dezembro deve haver o maior registro de volume de chuva no Estado, chegando entre 210 e 220 milímetros de acumulado.

Porém, é esperado para o mês de dezembro um período de estiagem, com tempo seco e calor nos primeiros dias, nas regiões central, sul e sudoeste de Mato Grosso do Sul.

FLORESCIMENTO

A primavera é conhecida por ser a estação mais florida, em que o clima favorece o florescimento de diversas espécies de plantas.

Segundo Lorene Tiburtino, professora de Biologia e Ciências, doutora em Desenvolvimento Local, no Brasil, essa transformação de paisagem não ocorre de uma maneira tão intensa, já que as estações do ano não são bem definas aqui, e desta forma é possível encontrar plantas com floração em épocas distintas.

O exemplo mais famoso que temos aqui no Cerrado são as flores dos ipês, que desabrocham entre junho e setembro, que são meses de inverno.

“Aqui no Cerrado, durante a primavera, as flores do pequi, jacarandá, cagaita, ingá e flamboyant são alguns exemplos de plantas que entram no período de florescimento”, declarou Tiburtino.

As árvores também ajudam a aliviar a temperatura durante esse período de primavera, uma vez que a arborização pode contribuir para a estabilidade do clima.

“Locais onde há árvores podem influenciar no clima do ambiente. É possível notar a diferença da sensação de alívio térmico que sentimos ao estar próximo de uma árvore frondosa ou em uma área bem arborizada”, informou Lorene.

A professora ainda acrescenta que “alguns pesquisadores citam que ter uma cidade bem arborizada pode contribuir para resfriar o ar, o que provoca o movimento do ar quente e frio deixando o local mais ventilado. Podemos dizer que tudo isso contribui para o bem-estar social”, finaliza

SAIBA

As elevadas temperaturas do ar e do solo no mês de setembro podem potencializar rajadas de vento no mês de outubro e parte de novembro que devem ser superiores a 60 km/h no Estado.

A chegada de frentes frias associadas aos ventos fortes pode trazer também descargas elétricas, trovoadas e pancadas de chuva e granizo nestes dois primeiros meses da estação.

Fonte CE.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook