R$ 151 milhões: entenda o que é o Sistema S, investigado pela Operação Lava Jato

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

A Operação Lava Jato cumpriu mandados contra 26 pessoas que fariam parte de esquema de que desviou, ao menos, R$ 151 milhões do Sistema S no Rio de Janeiro, por meio de contratos fraudulentos assinados com Sesc, Senac e Fecomércio-RJ. As investigações tiveram como base a colaboração premiada de Orlando Diniz, ex-presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ).

O que é o Sistema S?

O Sistema S é um conjunto de entidades, administradas por federações patronais, voltadas para o treinamento profissional, assistência social, consultoria, pesquisa e assistência técnica. Ele recebeu esse nome porque todos as entidades que a compõem começam com a letra S, de serviço.

Compõem o Sistema S: Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Serviço Social do Transporte e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Sest/Senat), Serviço Social do Comércio (Sesc), Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop) e Serviço Social da Indústria (Sesi).

Enquanto algumas destas entidades foram criadas para promover o treinamento profissional em seus segmentos de atuação, outras focam no bem-estar social, promovendo atividades culturais, esportes, eventos e lazer.

Qual a relação de Sesc, Senac e Fecomércio?

Cada entidade do sistema está ligada a uma federação nos estados. O objetivo é para “não haver incompatibilidade entre o enquadramento sindical de uma empresa e a entidade para a qual ela contribui”, explica a Fundação Instituto de Administração (FIA), em artigo sobre o Sistema S.

“As confederações são organizações compostas por federações, que, por sua vez, são formadas por sindicatos. Cada entidade do Sistema S, portanto, assim como cada confederação, atende a uma área específica da economia.”

O único membro do sistema que não está ligado a uma confederação é o Sebrae, que é vinculado a micro e pequenas empresas.

Cada entidade do sistema está ligada a uma federação nos estados. O objetivo é para “não haver incompatibilidade entre o enquadramento sindical de uma empresa e a entidade para a qual ela contribui”, explica a Fundação Instituto de Administração (FIA), em artigo sobre o Sistema S.

“As confederações são organizações compostas por federações, que, por sua vez, são formadas por sindicatos. Cada entidade do Sistema S, portanto, assim como cada confederação, atende a uma área específica da economia.”

O único membro do sistema que não está ligado a uma confederação é o Sebrae, que é vinculado a micro e pequenas empresas.

No início da gestão do governo Bolsonaro, o ministro Paulo Guedes já tinha disparado uma série de críticas ao Sistema S, principalmente em relação ao montante de dinheiro que circula nas instituições. Nesta semana, a imprensa destacou que “o ministro, talvez, tinha razão”

Quando o Sistema S foi criado?

A criação das instituições do Sistema S remontam aos anos 1940. A primeira estabelecida, em 1942 no governo de Getúlio Vargas, foi o Senai. O objetivo era melhorar a educação profissional para fortalecer e desenvolver a indústria nacional.

Quatro anos depois, no governo de José Linhares, sucessor de Vargas, com o mesmo conceito surge o Senac para desenvolver o comércio. No mesmo ano, são criados ainda o Sesi e o Sesc, completando o primeiro grupo de instituições do Sistema S. Apenas décadas mais tarde, após a promulgação da Constituição de 1988, as demais instituições foram criadas.

Como o Sistema S é financiado?

As contribuições ao sistema incidem sobre a folha de salários das empresas pertencentes à categoria correspondente e são repassadas pelo governo às entidades. As alíquotas variam de 0,2% a 2,5%, de acordo com cada instituição. “As instituições do Sistema S são de direito privado, ao contrário do que muitos imaginam. No entanto, recebem contribuições parafiscais (que não são advindos diretamente de recursos orçamentários) e realizam atividades de interesse social”, explica a FIA.

De acordo com regulamentação disponível no site do Senado, essas são as alíquotas pagas a cada instituição do Sistema S:

• Sebrae: varia de 0,3% a 0,6%

• Senar: varia de 0,2% a 2,5%

• Senai, Senac e Senat: 1%

• Sesi, Sesc e Sest: 1,5%

• Sescoop: 2,5%

Fonte: http://dfinforma.com.br

Com informações da Agência Brasil e CNN Brasil

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande