Rebeldia” de Rose reabre dúvida sobre permanência no PSDB

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Fica? – Essa é a pergunta que surgiu, novamente, depois do episódio envolvendo a deputada federal Rose Modesto (PSDB/MS) e a tentativa ignorada de disputar a prefeitura de Campo Grande pela legenda, como foi em 2016. O partido preferiu apoiar Marquinhos Trad (PSD) à reeleição e lançar só candidatos a vereador.

Relembrando – A saída da deputada da legenda já foi cogitada nos últimos meses algumas vezes e ela teria duas opções para ingresso, o PP e o Podemos. Chegou a haver inclusive boato de expulsão da parlamentar depois de embate sobre o comando da legenda no Estado, que acabou sendo dado a Sérgio de Paula.

De lá e de cá-  A “insurreição” de Rose pode servir de argumento tanto para que ela peça a saída à Justiça Eleitoral, como já fizeram outros políticos e conseguiram, tanto quanto pelo partido contra ela, num eventual processo de exclusão.

Por ora – Preso em Mossoró (RN), há um ano, o empresário Jamil Name, 81 anos, deve continuar por lá, apesar de despacho do juiz Walter Nunes, corregedor do presídio federal da cidade nordestino, muda de dois para um ano o prazo de inclusão de Jamil no sistema prisional federal. É que essa é uma segunda decisão de inclusão no sistema federal, que ainda está tramitando e por ora, não haverá mudanças.

Em suspenso – A explicação obtida pela coluna é de que em 5 de outubro vence o prazo da primeira inclusão, determinada logo após a operação Omertà. Em relação à outra decisão, que estipula mais um ano de presença em Mossoró, a defesa de Name recorreu, e esse recurso ainda está sendo analisado.

A caminho – Pelo que foi apurado, os advogados de Name tentam fazer com que ele volte para um presídio em Mato Grosso do Sul, onde ficou inicialmente, por ser idoso e doente.  O Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), quer que ele continue na prisão nordestina, alegando que representa risco vindo para Campo Grande. Falta o juiz estadual responsável, Mário José Esbalqueiro, decidir. –

Opinião – Conhecido por ser um dos principais entusiastas do governo Bolsonaro, o colunista Rodrigo Constantino, resolveu minimizar a figura do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta ontem. Em participação na rádio Jovem Pan, de São Paulo, disse que o ex-deputado federal de Mato Grosso do Sul, filiado ao DEM, não ganha eleição “nem para síndico”.

Pedidos – Embora tenha abandonado a defesa de Cleber de Souza Carvalho, o “Pedreiro Assassino”, em uma das ações criminais contra  o serial killer, o advogado Jean Cabreira de Souza segue questionando o trabalho policial no processo em que continua atuando. Ele reclamou à justiça de resultado de nova perícia feita na casa do comerciante José Leonel Ferreira dos Santos, a primeira vítima descoberta, e solicitou mais detalhamento.

No aguardo – O magistrado, Aluizio Pereira dos Santos, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, ainda não se manifestou. O defensor havia pedido que fosse feita perícia para identificar se houve ou não arrombamento de uma porta da casa. O resultado deu positivo, mas ainda assim, diz não estar satisfeito. Também quer que seja feita pesquisa de todos os lugares na casa que tenham mancha de sangue.

Sem defesa – A outra ação criminal contra Cleber, pela morte de  Tímóteo Ponte Roman, está aguardando a nomeação de um representante legal do réu. Como Jean Cabreira desistiu da causa, um defensor público será chamado. O  nome ainda não aparece na consulta.

Fonte: CAMPO GRANDE NEWS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande