Vacina de Oxford tem 70% de eficácia já na 1ª dose, diz pesquisadora

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

A vacina contra covid-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford, em parceria com a Astrazeneca e a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), demonstrou eficácia de 70% já após a aplicação da 1ª dose, segundo afirmou Sue Ann Costa Clemens, coordenadora dos ensaios clínicos desse imunizante no Brasil.

A vacina da Oxford já foi aprovada para uso no Reino Unido, na Índia, no México, no Marrocos, na Argentina, no Equador e em El Salvador. Mais de 1 milhão de doses já foram aplicadas. O imunizante deve começar a ser aplicado na população brasileira na semana que vem.

Na 6ª feira (8.jan.2021), a Fiocruz apresentou à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) o pedido de autorização para uso emergencial e em caráter experimental do imunizante da Oxford.

“A vacina demonstra uma eficácia de 70% com uma dose, e desde o início nós apostamos que essa era uma vacina de uma dose… Nos testes no Reino Unido, demos a 2ª dose com um intervalo maior, vacinamos com intervalos de até 12 semanas. Lá, mais de 8.000 pessoas entraram no grupo que recebeu a 2ª aplicação após mais de 8 semanas. Não tínhamos essa análise totalmente detalhada em novembro, para a 1ª publicação… Mas o estudo continua e, com a análise desses dados, já submetemos esse intervalo para aprovação no Reino Unido, onde isso consta na bula”, explicou Clemens ao jornal O Globo.

Ela explicou que os ensaios demonstraram que um intervalo maior leva a uma eficácia também maior.

“Você dá uma dose, o seu sistema começa a desenvolver uma resposta imune, e a resposta cresce com a 2ª, para mais de 80% de proteção”, afirmou.

“Quando a gente dá a 2ª dose depois de 4 a 6 semanas, a eficácia cai, porque a 2ª dose inibe a estimulação do sistema imune. Quando você espaça as doses, você aumenta a estimulação do sistema imune, ou seja, o sistema imune tem tempo para deslanchar, criar anticorpos e depois você dá o reforço e sobe a imunidade humoral. Acho que a estratégia do governo será essa. Dar o reforço com 3 meses.”

A pesquisadora afirma que o problema, em muitos casos, é não ter fornecimento suficiente de vacinas para aplicar a 2ª dose.

“Muita gente critica o nosso país por não ter começado a vacinação —mas muitos começaram para dizer que estão fazendo, sem estratégia. Vários países da Europa estão preocupadíssimos porque receberam doses de determinada marca, vacinaram uma parcela da população, e estão sem doses para continuar. E, com a vacina da Fiocruz, ficou demonstrado que com uma dose ela já faz a imunização primária, você está protegido em 70%. As outras vacinas só mostram eficácia depois das duas doses. A nossa começa a produzir imunidade celular em 15 dias, e em 28 dias, a imunidade humoral.”

Clemens ressaltou que a vacina da Oxford é segura.

“A conquista dessa vacina se deve também ao Brasil, que contribuiu com mais de 10.000 voluntários para os testes… A quem tem medo: o melhor é olhar os dados, os fatos… É uma vacina segura, e que pode ajudar, junto a outras vacinas, a tirar o mundo desse caos”.

A vacina da AstraZeneca/Oxford é a principal aposta do governo brasileiro, que já comprou 100 milhões de doses por R$ 1,9 bilhão. Os recursos foram liberados por meio de uma medida provisória assinada pelo presidente Jair Bolsonaro, que foi aprovada no começo do mês pelo Senado. No Brasil, a substância será produzida pela Fiocruz.

O imunizante tem eficácia global superior a 90% e a dose custa US$ 3,16. É mais barato, por exemplo, que as vacinas da Pfizer/BionTech (US$ 19,50) e da Sinovaci/Butantan (US$ 10,30).

FONTE: CONTEUDOMS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande