‘Veio para ficar’: máscaras e quarentena ajudam a evitar resfriados e gripes

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Pneumologista avalia que cuidados contra o coronavírus vão ajudar a evitar outras víroses

Ao sair pelas ruas você verá todo mundo (ou quase todos) usando máscara para se proteger contra a Covid-19. Com a chegada do inverno, essa e outras medidas contra o novo vírus também vão ajudar na prevenção de gripes e resfriados.

Isso porque a forma de transmissão é a mesma: ocorre quando gotículas de saliva do indivíduo infectado entram em contato com as vias aéreas de outra pessoa, por meio de espirros, tosse, fala, ou através do contato com objetos contaminados.

Diante das semelhanças, os cuidados são, basicamente, os mesmos, informa a pneumologista Eliana Setti Albuquerque Aguiar. “Veio para ficar entre os sul-americanos, que são muito do abraço, ficar perto. Acredito que por conta da pandemia, veio para nos mostrar que o distanciamento quando estamos com algum sintoma respiratório, não devo me aproximar de outra pessoa, mesmo que não seja Covid-19”, analisou.

Para a especialista, a pandemia irá trazer novos comportamentos, mais saudáveis. “É questão de educação a forma de tossir, saber espirrar e respeitar o distanciamento quando se tem uma patologia respiratória”, observou.

Com a chegada do inverno, o número de casos de resfriados e gripes aumenta. É necessário estar atento às diferenças em cada um desses casos para saber as medidas corretas a adotar. “Resfriado dura de dois a três dias e, normalmente, é acompanhado de coriza, congestão nasal e ocular, além do lacrimejamento”, pontuou Eliana.

Já a gripe tem sintomas mais intensos como “febre mais elevada, duração de 7 a 8 dias, sintomas não só nas vias aéreas superiores, mas é sistêmico e a pessoa tem prostração”, afirmou. E quanto ao novo coronavírus, é indicado procurar algum estabelecimento que atenda casos suspeitos da doença se “tem febre, dor torácica, diarreia, diminuição do olfato ou paladar, dispneia [falta de ar] elevada”.

Mais cuidados

  • Limpar as mãos com água e sabão depois de tossir ou espirrar, após usar o banheiro, antes de comer e antes de tocar os olhos, boca e nariz;
  • Evitar tocar os olhos, nariz ou boca após contato com superfícies;
  • Usar lenço de papel descartável;
  • Proteger com lenços a boca e o nariz ao tossir ou espirrar;
  • Orientar para que o doente evite sair de casa enquanto estiver em período de transmissão da doença (até cinco dias após o início dos sintomas);
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados (deve-se manter os ambientes ventilados);
  • Arejar o ambiente doméstico e fazer com que ele receba a luz solar, pois estas medidas ajudam a eliminar os possíveis agentes das infecções respiratórias;
  • Escolher a tinta correta para pintar as paredes da casa. Optar sempre por aquelas que contêm substâncias que inibam a proliferação de fungos, mofo e ainda não possibilita a aderência de poeira. Preferir sempre as tintas fabricadas à base de água;
  • Manter limpas as roupas de cama, principalmente cobertores e edredons;
  • Lavar, secar e arejar bem as roupas de inverno guardadas por muito tempo antes de serem utilizadas;
  • Manter hábitos saudáveis, como alimentação balanceada (alimentos ricos em vitamina C, como limão, laranja, abacaxi e acerola), ingestão de líquidos e atividade física;
  • Evitar o cigarro;
  • Fazer a vacinação anual contra gripe, que diminui a gravidade da doença e as chances de complicações por óbito (vacinação não é indicada para crianças com menos de seis meses e indivíduos com relatos de choque anafilático à proteína de ovo de galinha).
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande