Pior em 15 anos: MS pode ultrapassar marca história de queimadas no Pantanal

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Última alta de focos de calor foi registro no ano de 2005 e Ibama prevê margem ultrapassa ainda em setembro

Pantanal de Mato Grosso do Sul pode registrar nos próximos dias a marca histórica de focos de calor já registrados pelo monitoramento do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). A última margem alta foi registrada no ano de 2005.

Pior em 15 anos: MS pode ultrapassar marca história de queimadas no Pantanal

Segundo o analista ambiental do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), Alexandre Pereira, os maiores registros aconteceram há 15 anos. Foram 12.536 focos ativos detectados pelo satélite de referência.

“Estamos na eminencia de ultrapassar o maior valor da série histórica para o bioma Pantanal do Estado. Acreditamos que esse valor será superado ainda no mês de setembro. Já temos registrados 12.042 focos de calor desde janeiro deste ano”, disse.

Perdas incalculáveis

O diretor do Instituto Homem Pantaneiro, Coronel Ângelo Rabelo, explica que equipes de cientistas e veterinários estão atuando nos locais afetados para auxiliar animais que são encontrados com vida queimados ou machucados por conta das chamas. As perdas na fauna e flora ainda são incal

Pior em 15 anos: MS pode ultrapassar marca história de queimadas no Pantanal
Animais encontrados vivos estão
sendo resgatados. (Foto: Ampara Silvestre)

culáveis, pois os incêndios continuam afetando o bioma.

“A situação mais latente acontece no Pantanal de Mato Grosso do Sul. Estamos nesse enfrentamento com equipes do instituto, brigadistas, Corpo de Bombeiros, Prevfogo/Ibama, desde de fevereiro deste ano, quando o fogo nos surpreendeu dando indicativos que viveríamos um período difícil de estiagem.”

Ainda de acordo com Rabelo, o cenário já começa a mudar e preocupar especialistas. O Rio Paraguai, que banho o Pantanal, registrou este ano a pior baixar dos últimos 30 anos e consequentemente favorecendo a seca nas fluentes.

“A água é determinante para vida do Pantanal. Temos reconfiguração de regiões que estavam inundadas e estão secando. Isso é indicativo de grande período de seca”, relatou.

Conforme os dados do Laboratório de Satélites Ambientas da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), de janeiro a este domingo (6), foram 1,8 milhão de hectares devastados nas regiões pantaneiras do Estado. Ao total são mais de 2,3 milhões somando com o bioma de Mato Grosso.

Fonte: Midiamax

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Never miss any important news. Subscribe to our newsletter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande