Soraya diz que não apoiará Trutis; deputado “agradece”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Senadora disse ter pulso firme e espera decisão do TRE para “cancelar” candidatura

A senadora Soraya Thronicke, presidente regional do PSL, disse nesta terça-feira (15) que não apoiará o deputado federal Loester Trutis caso ele seja, de fato, o candidato à prefeitura de Campo Grande. Ela espera uma decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para “cancelar” a convenção que escolheu o deputado.

“Tínhamos planos com a candidatura do Vinícius e foram para baixo do dia para a noite. A minha mão continua firme e se ele ganhar na nacional, tranquilo, Campo Grande vai escolher. Eu não vou fazer campanha nenhuma e, no segundo turno, vou escolher quem apoiar, se achar que vale a pena”, disse a senadora.

Ao JD1 Notícias, Trutis disse que agradece o não apoio da senadora. “A senadora não condiz mais com as bandeiras que defendo. A nossa briga, todo mundo sabe, é porque ela está entrando na Justiça para pedir o mandato do Capitão Contar, para a amiga dela, Raquel Portioli, e acho isso de uma falta de hombridade tirar o mandato de um deputado estadual que teve quase 80 mil votos. Para mim é um alívio, pois eu não gostaria que ela, como senadora, pedisse para entrar na minha campanha e talvez eu fosse até obrigado a suportá-la, mas agradeço”, afirmou.

Trutis ainda falou sobre o possível “cancelamento” da convenção que o escolheu candidato. Segundo o vereador Vinícius Siqueira, que também encabeça o pedido de impugnação, a convenção se torna inválida, pois o deputado não era mais o presidente municipal da sigla no dia do evento, assim como toda sua diretoria estava inválida. Segundo Siqueira, a senadora Soraya retirou o deputado do comando municipal,na sexta-feira (11), e não teria avisado ninguém.

Mesmo com o argumento de que desde sexta Trutis não era mais o presidente municipal, o deputado garante que foi retirado da presidência na segunda-feira (14), um dia após a convenção, e que o documento que mostra a sua “saída” no dia 11 foi feito também na segunda, com data retroativa. Ele ainda disse que o que foi levado ao TRE, sobre a validade da ata, o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, entendeu que ele, Trutis, era o presidente da sigla no dia da convenção, assegurando a candidatura.

Já Siqueira rebateu dizendo que a tendência é que o Judiciário anule a convenção. “Estamos bem fundamentados”, disparou. O vereador mantém esperança na Justiça para, com liminar, realizar nova convenção e sacramentar seu nome para a disputa pela prefeitura. Se deferida a liminar, a briga será entre Soraya e Bivar.

Fonte: JD1

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande