Paralisação após coronavírus custará até US$ 3,3 bilhões ao turismo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Na América Latina, República Dominicana e Colômbia devem ser os países mais afetados pela crise no setor

O setor do turismo pode perder entre US$ 1,2 bilhão e US$ 3,3 bilhões em todo o mundo por causa da pandemia do novo coronavírus, estimou a Unctad (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento) em um relatório divulgado nesta quarta (1º).

Países como República Dominicana, Equador, México, Colômbia e Argentina estão entre os mais afetados na América Latina. Já entre os europeus, a Espanha é um dos países que sofrerá os maiores impactos.

Foram analisados três cenários, de acordo com as medidas de restrição tomadas pelos governos para conter a disseminação do vírus. No melhor cenário, em uma paralisação de quatro meses, a perda seria de 1,5% do PIB (produto interno bruto) mundial, ou US$ 1,2 bilhão.

Caso a interrupção seja de oito meses, as perdas no turismo serão de US$ 2,2 bilhões, o equivalente a 2,8% do PIB mundial. O cenário mais pessimista leva em consideração uma paralisação de 12 meses, o que custaria US$ 3,3 bilhões (4,2% do PIB mundial).

Segundo a Unctad, os países em desenvolvimento podem sofrer as maiores perdas no PIB. A Jamaica e a Tailândia, muito dependentes do setor, se destacam com perdas de 11% e 9%, respectivamente, quando se analisa o cenário mais pessimista.

Outros importantes destinos turísticos — como Quênia, Egito e Malásia — podem amargar perdas entre 3% e 10% do PIB de seus países.

América Latina

Entre os países da América Latina, a República Dominicana será provavelmente o mais afetado pela pandemia, segundo o relatório. A crise no turismo representará uma queda de 5% a 16% do PIB dominicano, a depender do período de paralisação do setor.

Colômbia também deve ver queda considerável no PIB. As perdas para o país podem variar de 2% a 4%. Projeções para o Equador, México e Argentina apontam quedas de 1% a 4%.

Europa

De acordo com a Unctad, a Espanha será um dos país mais afetado da Europa. O PIB espanhol pode cair de 3% a 9% este ano por causa da pandemia.

O cenário do país é superado pela Croácia, onde a queda do PIB é estimada entre 8% e 16%. Portugal verá uma contração entre 6% e 15%, enquanto a projeção para a Grécia aponta um encolhimento entre 4% e 13%.

Outros setores

Os impactos econômicos da pandemia no setor do turismo traz efeitos secundários para outros setores da economia que fornecem bens e serviços que os turistas procuram durante as férias, como alimentação e entretenimento.

A Unctad estima que para cada US$ 1 milhão perdido no turismo internacional, a renda nacional de um país pode cair de US$ 2 a US$ 3 milhões.

A queda maciça na chegada de turistas afeta ainda o mercado de trabalho. Estimativas apontam que, nos países mais afetados, o emprego de trabalhadores não qualificados pode diminuir em dois dígitos – mesmo em um cenário mais moderado.

As quedas mais acentuadas foram observadas na Tailândia, com uma retração de cerca de 12%, e na Jamaica, com 11%.

O estudo destaca ainda que as mulheres são as mais afetadas pela pandemia. A situação se agrava quando analisadas as situações das empreendedoras e das trabalhadoras.

Elas são mais propensas que os homens a investirem no turismo, respondendo por cerca de 54% dos trabalhadores nos setores de hospedagem e alimentação.

Por trabalharem principalmente de maneira informal, é pouco provável que, ao perderem o emprego, essas mulheres tenham acesso a benefícios, como seguro desemprego.

Fonte: https://areferencia.com/

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande