Ação da Lama Asfáltica tem pedido de investigação contra Miglioli, ex-secretário de Reinaldo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Após substituição há seis meses, defesa havia lotado ação com pedidos, mas juiz indeferiu pedidos e manteve rito processual

Ação que corre na 3ª Vara Federal de Campo Grande a partir de denúncia de que Edson Giroto teria ocultado R$ 2,8 milhões na construção de imóvel residencial na Operação Lama Asfáltica caminha para a 3ª sentença em ações judiciais relacionadas à Operação com um pedido inusitado da defesa: que seja investigado o também ex-secretário de Obras de Reinaldo Azambuja (PSDB), Marcelo Miglioli.

Isso porque decisão do juiz federal de primeiro grau Bruno Cezar da Cunha Teixeira, datada de 7 de agosto de 2020, determinou intimação do MPF (Ministério Público Federal) para apresentação de alegações finais. A decisão foi publicada após audiência realizada em 14 de julho deste ano, por videoconferência.

Nem alegação em depoimento de Edson Giroto foi capaz de atrasar o ritmo processual: o réu mencionou na oitiva que seu sucessor na administração pública estadual – no caso, o ex-secretário de obras, Marcelo Miglioli, que esteve no primeiro escalão de Reinaldo Azambuja (PSDB) no primeiro mandato – “poderia ter em vista prejudicá-lo nos processos em trâmite na Justiça Federal”.

Diante disso, o MPF requereu que a defesa do acusado apresentasse as informações e documentos que entender necessárias e pertinentes para que o MPF possa analisar e levar em consideração tais informações, “não apenas neste processo mas também para requisitar que a Polícia Federal instaure as apurações competentes”, conforme traz a decisão.

Assim, o magistrado considerou que “não se trata de efetivo pedido dirigido ao Juízo, mas sim à própria defesa do réu (…) para que apresente os elementos que confirmem a versão sustentada no interrogatório do acusado”. Teixeira estipulou prazo em dobro para que as partes apresentem os memoriais, fixado em dez dias. Porém, a apresentação dos novos documentos solicitados pelo MPF ocorre “sem interrupção da fluência do prazo ministerial”.

A decisão do magistrado também indeferiu pedido de produção probatória apresentado pela defesa de Giroto e de sua esposa, Rachel Rosana de Jesus Portella Giroto. Vale lembrar que o casal teve substituição no corpo de advogados, que entrou com pedido numeroso de produção de provas em fase já na fase avançada da ação.

O magistrado, porém, considerou que a substituição da defesa “não acarreta a retrocessão da ação penal, ingressando o novo advogado no processo no estado em que se encontra; não pode ser tratada como uma cláusula anti-preclusiva para desfazer a marcha processual, passível de utilização como técnica protelatória ou como modus de defesa”.

Fonte: Mídiamax

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande