Análise da PF contradiz versão de Barroso sobre ataque hacker nas eleições 2020

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Análise da Polícia Federal (PF) em conjunto com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apontou que o ataque hacker que acessou dados pessoais de funcionários do tribunal foi mais amplo que o divulgado anteriormente por Luís Roberto Barroso e teria ocorrido neste ano.

Segundo as investigações, o criminoso acessou dados de 2020, como endereços e telefones, no Portal do Servidor, um sistema administrativo e sem relação com o processo eleitoral.

A informação inicial dada por Barroso, porém, era de que os dados obtidos pelo hacker se referiam somente ao período de 2001 a 2010.

A suspeita é de que o ataque tenha acontecido antes de 1º de setembro porque o material não mostra informações registradas nos arquivos do TSE após o dia 2 daquele mês.

Na segunda-feira (16), Luís Roberto Barroso disse que os dados vazados, com informações de funcionários e até de ex-ministros, eram relativos ao período de 2001 a 2010.

Inicialmente, o TSE também informou que o ataque teria ocorrido antes de outubro. Agora, a suspeita é que ocorreu antes do dia 1º de setembro. O ataque partiu de Portugal.

 Barroso disse também suspeitar que o ataque tenha relação com “milícias digitais” pró-ditadura, uma vez que o vazamento só foi divulgado no domingo, dia do primeiro turno.

No domingo, houve nova tentativa de ataque hacker ao sistema do tribunal, mas por meio de acessos massivos para derrubar o sistema. O ataque, com origem no Brasil, Nova Zelândia e Estados Unidos, foi neutralizado e não afetou a votação, apuração e totalização dos votos.

A divulgação dos resultados atrasou porque a inteligência artificial do supercomputador não conseguiu processar rapidamente a grande quantidade de dados.

Hoje, Barroso criou uma Comissão de Segurança Cibernética, a ser presidida pelo ministro Alexandre de Moraes, para acompanhar a investigação da PF sobre os ataques e elaborar estudos para prevenir e combater novas tentativas.

Fonte: https://gazetabrasil.com.br

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande