Assassino de moto-entregador presta depoimento, mas fica em liberdade

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

À polícia, Bruno César de Carvalho, 24 anos, disse que atirou “no calor do momen

Cinco dias após matar Emerson Salles Silva, 33 anos, durante briga numa lanchonete na Avenida Mato Grosso, na região central de Campo Grande, Bruno César de Carvalho, 24 anos, se entregou à polícia na manhã desta terça-feira (18). Mesmo assumindo o crime, ele não ficará preso.


Bruno foi ouvido pelo delegado Mikail Farias, da 1ª Delegacia de Polícia Civil, mas como já passou o período de flagrante e o pedido de prisão preventiva feito pela autoridade policial ainda não foi analisado pela Justiça, o rapaz foi liberado.

moto-entregador_1

Em depoimento, Bruno contou que trabalhava com Emerson em uma rede de farmácia há muito tempo, mas na lanchonete há cerca de dois meses e meio. Segundo o rapaz, ele e a vítima já haviam se desentendido anteriormente, por comentários e brincadeiras que Emerson fazia.
O estopim, conforme relatado à polícia, foi quando o autor faltou trabalho por dias. ”A motocicleta do Bruno estragou e ele precisou faltar no trabalho terça e quarta. Emerson não teria gostado de trabalhar sozinho e começou a mandar mensagens pra ele”, disse o delegado.

moto-entregador_2
Delegado Mikail Farias, responsável pelas investigações ©Silas Lima

Antes de atirar contra Emerson, Bruno contou que chegou a mostrar a arma para intimidar o desafeto, mas as agressões continuaram. ”Ele disse que atirou no calor do momento”, comentou Mikail.


Bruno contou que comprou a arma, um revólver calibre 32, há cinco meses, por medo de ser assaltado. Ela foi descartada após o crime e ainda não foi encontrada.


A  advogada de Bruno, Adriana Melo, contou que o cliente está arrependido. ”No momento da discussão, ele perdeu todo o senso e saiu de si. O que aconteceu foi um crime, mas meu cliente não é um criminoso. Ele perdeu a razão, acabou fazendo besteira, vai responder por isso e colaborar com a polícia”, disse.


Ainda segundo a advogada, imagens do circuito de segurança que comprovam a versão apresentada pelo cliente serão apresentadas à polícia.
Sobre a arma, Adriana reforçou que Bruno adquiriu para defesa pessoal. Ela também disse que não sabe onde o cliente ficou escondido durante todo esse tempo. 


Fonte: CAMPO GRANDE NEWS

Por: Kerolyn Araújo e Clayton Neves

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande