Conecte-se conosco

Economia

Em Mato Grosso do Sul mais de 266 mil pessoas passam fome, aponta pesquisa

Publicado

em

Em Mato Grosso do Sul, 266, 8 mil pessoas passam fome, revela uma pesquisa do Penssan (Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional), divulgada nesta quarta-feira (14).

Conforme o levantamento, 20,54% dos moradores do Estado sofrem para ter acesso à alimentação, em situação considerada moderada, quando há pouca quantidade de comida na mesa. Enquanto 9,4 % estão em circunstâncias graves por falta de alimentos.

O relatório aponta que 35,04% sofrem com a insegurança alimentar leve, ocasião em que a família enfrenta incerteza ao acesso de alimentação adequada, de forma regular e com todas os nutrientes recomendado.

Somente 35% possuem segurança alimentar, quadro em que conseguem realizar três refeições diárias.

Dos estados do centro-oeste, Mato Grosso registrou 36,8% de famílias com segurança alimentar, Goiás surge com 45,2 pontos percentuais e Distrito Federal com 38,5%. Mato Grosso do Sul está em um dos menores índices de pessoas passando fome em todo Brasil.

Em âmbito nacional, o título de maior número de famílias sem comida no prato ficou na região do Norte e Nordeste. Alagoas foi o estado em que os casos de insegurança alimentar grave são mais frequentes, atingindo 36,7% das residências pesquisadas.

Considerando toda a população em insegurança alimentar (leve, moderada ou grave), São Paulo também lidera, com 26 milhões, seguido por Minas Gerais, com 11,2 milhões.

O estudo também revelou que, no País, a fome atinge 1 a cada 3 casas brasileiras com crianças de até dez anos,

A coleta de dados ocorreu entre novembro de 2021 e abril de 2022, com entrevistas em 12.745 domicílios, em áreas urbanas e rurais de 577 municípios, distribuídos nos 26 estados e no Distrito Federal.

Foi utilizada a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (Ebia), também adotada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Fonte: CampoGrandeNews

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook