Fome no mundo pode crescer 82% até o fim de 2020, estima ONU

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Crise do coronavírus atingiu com mais força América Latina e África; programa da ONU atenderá número recorde

Enquanto a quase totalidade dos países registrará recessão em 2020, as Nações Unidas estimam que 138 milhões de pessoas precisarão de sua ajuda para comer neste ano. Em 2019, o número foi de 97 milhões – recorde até então.

A escalada da fome está relacionada à crise econômica da pandemia do novo coronavírus. A recessão global será de 5,2% em 2020, de acordo com o Banco Mundial, cujo cálculo mais recente é do último dia 24.

Com a recessão, a fome pode crescer até 82% neste ano, e atingir 270 milhões de pessoas, segundo a estimativa mais recente do Programa Mundial de Alimentos da ONU (Organização das Nações Unidas).

As áreas mais afetadas são a América Latina, onde triplicou o número de pessoas que precisam de ajuda para se alimentar, e a África.

Na primeira, a mistura de alta informalidade, crise econômica que paralisou a oferta de emprego e queda brusca das remessas enviadas por migrantes em países ricos gerou forte impacto na renda.

Na África, os problemas são os mesmos, mas causaram estragos ainda maiores. Nas porções ocidental e central do continente, o número de pessoas com fome mais que dobrou, com alta da ordem de 135%. Na parte sul, o aumento foi menor, mas ainda significativo: 90%.

Socorro contra a fome

Acesso a alimento é “a melhor proteção contra o caos” até o anúncio de uma vacina, afirmou o diretor executivo do programa, David Beasley. “Sem comida, poderemos ver aumento do mal estar social, dos protestos e da migração, a agudização dos conflitos e uma desnutrição generalizada”.

Mesmo antes da pandemia, a fome no mundo já piorava. Nos últimos quatro anos, de acordo com a ONU, a chamada “insegurança alimentar severa” cresceu 70%.

Entre as razões estão o agravamento da pobreza em regiões já carentes, como a África subsaariana e partes da Ásia, e danos causados pelas mudanças climáticas que geram impacto nas lavouras.

Os especialistas das Nações Unidas também alertam para o fato de que, nos países pobres, o contágio pelo novo coronavírus e as tentativas de isolamento tem ocorrido em uma época desfavorável.

No meio do ano, começa na Ásia a temporada de monções. Nas Américas, é época de furacões. Neste 2020, além do vírus, tempestades de gafanhotos tem varrido o leste da África e a América do Sul.

Vouchers e dinheiro

Graças à pandemia, o programa também mudou a forma de fazer chegar a ajuda às populações em apuros. Desta vez, mais de metade dos recursos destinados ao combate à fome será distribuída em dinheiro ou vouchers, em vez de cestas básicas.

Segundo o comunicado do programa, é uma forma de dar mais agilidade às ajudas, já que elimina uma parcela grande do esforço logístico, e permitir que as próprias famílias adquiram os produtos de que precisam. Os recursos também ensejam maior movimentação das economias locais.

Para manter o serviço, Beasley informou que serão necessários mais US$ 4,9 bilhões nos próximos seis meses. A meta é atender pessoas em 83 países.

O Programa Mundial de Alimentos da ONU também permite doações de pessoa física, no cartão de crédito e débito, por meio do aplicativo Share The Meal. O app está disponível em Android e iOS.

Fonte: https://areferencia.com/

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande