Moraes autoriza acesso da PF à investigação do Facebook que removeu contas bolsonaristas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Alexandre de Moraes autorizou, nesta quarta-feira (15), o acesso da Polícia Federal à investigação do Facebook que acabou removendo, em 8 de julho, uma rede de mais de 70 páginas e perfis falsos ligados ao PSL, à família Bolsonaro e a deputados estaduais do Rio de Janeiro, como Alana Passos e Anderson Moraes.

Segundo comunicado da empresa, foram identificadas 35 contas, 14 páginas, 1 grupo e outras 38 contas no Instagram. De acordo com o jornal Estadão, o pedido do ministro do STF corre em sigilo em dois inquéritos: o das fake news e o dos atos antidemocráticos.

A investigação do Facebook não atingiu apenas o Brasil. Países como Ucrânia, Estados Unidos, Canadá, Equador e Venezuela também tiveram contas falsas removidas. No Brasil, a rede social alega que encontrou as atividades a partir de uma investigação interna sobre “suspeitas de comportamento inautêntico coordenado, relatado pela imprensa e em depoimentos recentes no Congresso brasileiro”.

Maia diz que ação do Facebook reforça importância da Lei das Fake News
Facebook remove contas falsas ligadas ao PSL e à família Bolsonaro

“Embora as pessoas por trás dessa atividade tenham tentado ocultar suas identidades e coordenação, nossa investigação encontrou links para indivíduos associados ao Partido Social Liberal e a alguns dos funcionários dos escritórios de Anderson Moraes, Alana Passos, Eduardo Bolsonaro, Flavio Bolsonaro e Jair Bolsonaro“, diz o comunicado.

O Facebook afirmou que as páginas derrubadas no Brasil tinham “postagens relacionadas à política” e faziam críticas a veículos de imprensa, jornalistas e partidos de oposição. A rede social classificou o posicionamento como “discurso de ódio”. “Mais recentemente, publicaram sobre a pandemia de coronavírus. Parte do conteúdo publicado por esta rede já havia sido retirado por violações dos Padrões da Comunidade.”

A investigação também mensurou o alcance das páginas e do grupo que disseminavam informações falsas no Facebook e Instagram. “Cerca de 883.000 contas seguiram uma ou mais dessas páginas [no Facebook], cerca de 350 contas ingressaram neste grupo e cerca de 917.000 pessoas seguiram uma ou mais dessas contas do Instagram.” Segundo a empresa, cerca de 8 mil reais (US $ 1.500) foram gastos em anúncios.

Uma das páginas do Facebook que foram derrubadas chamava-se “Bolsonaro News” – uma das postagens mostrava uma reportagem da Rede Globo com o título “Globo inventando morte por coronavírus”. Outra página informava que o ex-ministro da Justiça Sergio Moro havia sido “cancelado da internet”. Um perfil do Instagram, incluído como exemplo pela rede social no comunicado, falava sobre “doutrina comunista” em uma charge.

Fonte: JovemPan

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Never miss any important news. Subscribe to our newsletter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande