MOSQUITO ZERO: SESAU REALIZA FORÇA-TAREFA EM ÁREAS COM MAIOR INCIDÊNCIA DE FOCOS DO AEDES AEGYPTI

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Nesta semana a Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande (SESAU), por meio da Coordenadoria de Controle de Endemias Vetoriais (CCEV), iniciou uma força-tarefa para vistorias imóveis e eliminar focos e potenciais criadouros do mosquito Aedes aegypti – transmissor da dengue, zika e chikungunya – nas áreas onde o Levantamento Rápido de Infestação do Aedes (LiRaa) realizado no mês de novembro apontou índices superiores a 1%, o que coloca estes locais em alerta. A primeira região a receber os trabalhos foi a do Segredo e a ação deve se expandir para as demais localidades até o fim do ano.

Na terça (19) e quarta (20) os agentes estiveram percorrendo os bairros localizados na área de abrangência das UBSF Jardim Azaleia, UBSF Jardim Seminário e da UBS São Francisco que, inclusive, registrou o segundo maior índice de infestação (2.9%), ficando atrás somente da área da UBS 26 de Agosto, que teve 3.6%. O LiRaa completo pode ser consultado clicando aqui.

Ao todo foram aproximadamente 1,2 mil imóveis inspecionados e 1 mil depositos eliminados, com mais de 40 agentes envolvidos. Além da realização do chamado trabalho mecânico, com a eliminação de focos, os moradores também recebem orientações sobre a maneira correta de prevenir a proliferação do mosquito, evitando o acumulo indevido de materiais inservíveis de pequeno ou grande volume que possam acumular água e se tornar criadouros.

Segundo o secretário municipal de Saúde, José Mauro Filho, a ação de caráter preventivo é extremamente importante para evitar que o município volte a sofrer com novas epidemias.

“Este ano enfrentamos uma das maiores epidemias de dengue já registradas o que nos custou muito caro. Foram R$27 milhões empenhados na compra de insumos, medicamentos e pagamento de plantões para reforço no atendimento. Conseguimos vencer e baixar os índices, porém temos que nos manter em alerta para que isso não se repita. Mas é importante destacar que não basta somente o Poder Público agir, as pessoas também precisam fazer a sua parte, considerando que 80% dos focos ainda são encontrados dentro das casas”, ponderou.

De janeiro até o dia 19 de novembro foram registrados 16.547 casos confirmados de dengue no município. Somente em março, onde ocorreu o pico da epidemia, foram 9.721 notificações. Oito pessoas foram vítimas fatais da doença. Casos de zika e chikungunya foram 431 e 235, respectivamente.

Prevenção

– Nas lajes e calhas, tire folhas e tudo o que impeça o escoamento da água;

– Pneus velhos ou que não estão sendo utilizados devem ser guardados em locais secos e cobertos;

– Bordas de fontes e piscinas devem ser lavadas com escova semanalmente;

– Pratos de vasos de flores e de plantas devem ser preenchidos com areia;

– Garrafas e embalagens PET podem ser encaminhadas para a coleta seletiva ou guardadas de boca para baixo;

– Caixas d’água devem estar sempre bem tampadas;

– Coloque água sanitária em ralos e locais que possam ter água parada;

– O lixo deve ser colocado em sacos plásticos fechados e depositados em lixeiras, que também devem estar tampadas;

– Potes de água de animais domésticos devem ser lavados com água e sabão;

– Materiais de construção devem ser armazenados em ambientes cobertos e secos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Never miss any important news. Subscribe to our newsletter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande