MS se torna referência no país e Ministério da Saúde vai ampliar vacinação em cidades fronteiriças

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

O Secretário de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul, Geraldo Resende, comemorou a decisão do Ministério da Saúde de encaminhar mais vacinas a municípios de regiões fronteiriças do país. O pleito ocorreu após mobilização da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) solicitar ao Ministério da Saúde a construção de um “cinturão de segurança” em cidades fronteiriças com outros países.

Geraldo Resende destaca como positiva a criação de um cinturão nacional. “Em Mato Grosso do Sul, a criação deste cinturão sanitário diminuirá sensivelmente os riscos de novos casos e trará impacto positivo na situação epidemiológica do Estado. Essa barreira vai contribuir para a redução circulação de variantes e impactar na redução de outros indicadores, como a taxa de ocupação de leitos hospitalares e poderá inclusive, evitar novos óbitos. Por isso, essa decisão do Ministério da Saúde é importante para o país”.

Mato Grosso do Sul serviu de exemplo para a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) que iniciou em junho o debate sobre a vacinação nesses municípios fronteiriços, mesmo período, em que os 13 municípios receberam doses a mais para a vacinação em massa na região de fronteira do Estado.

Conforme o secretário-executivo do Conasems, Mauro Junqueira, no final de junho o Ministério da Saúde já havia encaminhado o equivalente a 5% de reserva técnica da pauta de distribuição para municípios da faixa de fronteira de Mato Grosso do Sul. O Estado recebeu 165.500 doses da vacina da Janssen para a realização de estudo na região da fronteira com Paraguai e a Bolívia.

Assim, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, anunciou a criação deste “cinturão de segurança” em cidades que fazem fronteira com outros países, daí a necessidade de mais vacinas. Para Cruz, “não há o que se discutir em relação ao mérito”.

A orientação, então, foi que os Conselhos Nacionais de Secretários de Saúde (Conass) e de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) levantassem o quantitativo necessário de cada cidade e região para que o Ministério possa planejar o envio dos imunizantes. Como as doses são encaminhadas aos estados, prefeitos devem estar atentos à reunião bipartite (Conass e Conasems) para saber o quantitativo que irão receber.

Rodson Lima, SES 

Com informações do FNP

Foto: Divulgação

Publicado por: Rodson Carmo de Lima

Fonte: https://www.saude.ms.gov.br

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande