ONU exige esclarecimentos sobre mortes de meninas em operação no Paraguai

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

As meninas tinham 11 e 12 anos estavam no acampamento invadido pela Força Tarefa Conjunta na última quarta-feira

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos cobrou esclarecimentos sobre as mortes das duas meninas de 11 e 12, durante o confronto da última quarta-feira (2), em uma fazenda em Yby Yaú, na fronteira entre Concepcion e Amambay, que faz fronteira com o Mato Grosso do Sul.

Segundo o representante da ONU (Organização da Nações Unidas) para a América do Sul, Jan Jarab, o Paraguai “deve investigar sem demora e com imparcialidade” a morte de duas meninas durante uma operação realizada esta semana pela FTC (Força Tarefa Conjunta) contra a guerrilha do EPP (Exército do Povo Paraguaio).

“Este é um acontecimento gravíssimo que acabou com a vida de duas meninas que o Estado devia proteger, como parte de sua obrigação de garantir os direitos humanos de todas as meninas, meninos e adolescentes do país”, lamentou Jan Jarab , em documento do  do escritório regional da ONU para os Direitos Humanos, com sede em Santiago do Chile.

O representante da ONU afirmou  que recebeu “informações perturbadoras” sobre tentativas de manipular evidências do fato ocorrido e considerou “crucial que as normas internacionais de direitos humanos sejam levadas em consideração durante a investigação.

Especificamente, ele explicou que é particularmente importante ter em mente o “Protocolo de Minnesota”, em referência ao Manual das Nações Unidas sobre a Prevenção Efetiva e Investigação de Execuções Extralegais, Arbitrárias ou Sumárias.

O representante de Direitos Humanos da ONU na América do Sul destacou que a investigação deve apurar as responsabilidades diretas no incidente, mas também todo o nível hierárquico envolvido na operação, bem como a possível alteração do cenário dos acontecimentos.

Desde que foram confirmadas as mortes das duas meninas, que são filhas de membros do EPP, o governo paraguaio tem sofrido pressões nacionais e internacionais sobre o caso. Há denúncias de que membros da FTC chegaram a vestir roupas camufladas nas duas criança para tentar justificar a ação. O presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, que chegou a posar para fotos com membros da FTC no local do confronto, tem sofrido fortes críticas.

Até o último sábado as autoridades paraguaias vinham afirmando que não eram crianças e sim adolescentes. Entretanto documentos fornecidos por parentes comprovaram  que as vítimas tinham entre 11 e 12 anos. Os corpos também foram exumados e foi constatado diversos ferimentos provocados por tiros de armas de uso das forças policiais paraguaias.

A CEP (Conferência Episcopal do Paraguai)  juntou-se aos setores que reconhecem haver dúvidas quanto à atuação do Governo contra o EPP, em que foram assassinadas duas meninas. Também condenam a violência de qualquer um dos dois setores, mas exigem esclarecimentos sobre os fatos, lembrando a obrigação do Governo de proteger a vida.

Por meio de nota divulgada hoje, o CEP expressa em primeiro lugar a “pena pela perda de vidas humanas, que neste caso significou a morte violenta de duas meninas de 11 e 12 anos” e destacam que “a Igreja reafirma o valor supremo de vida humana ”, lembrando que“ a vida e a dignidade da pessoa humana não estão subordinadas a nenhuma justificação ou causa superior ”.

Fonte: Mídiamax

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Never miss any important news. Subscribe to our newsletter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande