Polícia faz testes de luminol em casa de massagista que matou e esquartejou cartunista

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Equipes da DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios) retornaram a casa da massagista Clarice Silvestre de Azevedo, assassina confessa do chargista Marco Antônio Rosa Borges, para exames de luminol na noite desta quinta-feira (26). Os policiais irão ver os locais onde há locais com marcas de sangue pela casa, localizada no Bairro Monte Castelo.

A polícia retorna à casa após coleta de materiais feitos durante perícia. Clarice confessou que cometeu o crime por ciúmes, depois de ver a foto dele com outra mulher. O chargista Marco Antônio Rosa Borges, de 54 anos, encontrado esquartejado e carbonizado na última terça-feira (24), se relacionava há cerca de cinco meses com ela.

A massagista e um dos filhos, de 21 anos, passaram 9h com o corpo dele, esquartejado, dentro de malas. Eles pagaram R$70 para um motorista leva-los até a casa do filho, que fica a 40 metros do local onde o corpo foi encontrado, carbonizado, no Jardim Tarumã. Os detalhes foram confessados nesta quarta-feira (25) durante depoimento à polícia.

Ao todo, foram 19 horas que Marco Antônio passou com a assassina. Desse período, 10 horas foram no espaço onde ela atendia e o chargista havia marcado uma sessão, na manhã de sábado. Nas outras 9 horas, com ele já morto, Clarice acionou o filho, passou pela casa dele e só então jogou o corpo no local onde ele foi encontrado.

O motorista de aplicativo, por sua vez, levou os prints das conversas em que Clarice oferecia R$70 para fazer uma corrida do Bairro Monte Castelo, onde funcionam os atendimentos e o crime ocorreu, até a casa do filho dela, no Jardim Tarumã, cerca de 40 metros do local onde o corpo foi encontrado carbonizado nesta terça-feira (25).

Após descerem com as malas na casa do filho, ele e a mãe esperaram a esposa do jovem de 21 anos dormir para transportar, a pé, até a casa desocupada. Às 3h, levaram as malas até o campo de futebol, que fica em frente à casa, e depois até o imóvel, evitando passar pelas ruas com iluminação.

Clarice Silvestre de Azevedo está presa temporariamente, por pelo menos 30 dias, em uma cela da 2ª Delegacia de Polícia da Capital. A prisão pode ser prorrogada ou convertida em preventiva, segundo as normas jurídicas. Ela vai responder por homicídio qualificado por motivo torpe, ocultação de cadáver e vilipêndio. Já o filho, pelos últimos dois crimes. (Com informações de Danielle Errobidarte)

Fonte: Mídiamax

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande