Senador Nelsinho Trad propõe seminário sobre a Rota Bioceânica ao Parlasul

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Diretoria do Parlamento do Mercosul aceita a proposta e marca discussão virtual entre os dias 15 e 20 de agosto 

O presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado federal, senador Nelsinho Trad (PSD/MS), defendeu nesta segunda, em reunião virtual da mesa diretora do Parlasul (Parlamento do Mercosul), a realização de seminário sobre os corredores bioceânicos. A proposta foi aceita e o encontro virtual sobre o assunto será entre os próximos dias 15 e 20 de agosto. 


Essa discussão poderá contribuir para os incentivos ao projeto da Rota Bioceânica e vai trazer novidades sobre o andamento das obras. “De maneira muito salutar, o presidente do Parlasul, Oscar Laborde, considerou importante atualizar os membros sobre o corredor bioceânico que vai envolver a economia de vários países”, comentou o senador Nelsinho Trad. 


Com o novo corredor bioceânico, haverá redução no valor do transporte de mercadorias brasileiras ao mercado asiático. O trajeto vai passar pelo Brasil, Paraguai, Argentina e Chile, interligando oceanos Atlântico e Pacífico, e encurtando em 7.200 km marítimos de distância. 


O traçado, conforme explicação do senador Nelsinho Trad, tem início em Porto Murtinho e segue até o porto de Antofagasta, no Chile, passando por Mato Grosso do Sul, norte do Paraguai e da Argentina. “Essa nova alternativa vai gerar oportunidades econômicas para Mato Grosso do Sul. “Os produtos chilenos, argentinos e paraguaios passarão a ingressar no Brasil por Porto Murtinho, Corumbá e Ponta Porã. Os produtos da região chegarão aos mercados mais distantes a preços mais competitivos”, explica. 


Assim que a rota estiver em operação, a carga de Mato Grosso do Sul será levada à Antofagasta (Chile) em dois ou três dias. Depois, o produto poderá ter como destino à Ásia. “Evita-se o congestionamento dos portos de Santos e Paranaguá e passagem pelo Estreito de Magalhães, que é perigoso, ou Canal do Panamá que é caro. A viagem entre Antofagasta e Xangai dura 35 dias, enquanto o deslocamento de Santos a Xangai consome 49 dias, economizam-se 14 dias”, informou o senador Nelsinho Trad. 


No ano passado, já foi assinada a licitação em MS para construção da ponte de Porto Murtinho até Carmelo Peralta, município paraguaio, que deverá ser concluída até 2023.


Fonte: ASSECOM

Foto: David Majella

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande