Câmara aprova e taxa do lixo não terá reajuste em 2021 em Campo Grande

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Projeto foi encaminhado pela prefeitura, para minimizar impactos da crise causada pela pandemia

A taxa de coleta, remoção e destinação de resíduos sólidos domiciliar não terá reajuste no ano que vem em Campo Grande.

Vereadores da Câmara Municipal aprovaram, em regime de urgência, em única discussão, a proposta da prefeitura, de reajuste na chamada taxa do lixo, em sessão realizada nesta quinta-feira (26).

Acompanhe as últimas notícias

Conforme a proposta apresentada pelo Executivo Municipal, o objetivo do reajuste zero é minimizar os impactos da crise econômica agravada pela pandemia do coronavírus. 

No texto, prefeitura cita que “o projeto visa beneficiar todos os contribuintes, mas, principalmente, aqueles que foram prejudicados com a perda de suas receitas”.

Foi aprovada também a mudança do indicador financeiro base para reajuste anual da taxa, que passa a ser um de menor variação.

Com a mudança, reajuste não terá mais como base o Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) e passa a ser calculado com base no indicador oficial utilizado pelo governo federal, o Índice Nacional de Preços ao Consumir Amplo Especial(IPCA-E).

Conforme explicou anteriormente o secretário de Finanças e Planejamento, Pedro Pedrossian Neto, a variação do IPCA-E é menor que o IGP-M, o que causa impacto menor na taxa de coleta.  

Neste ano, por exemplo, o IGP-M tem variação de 19%, contra 2,65 do IPCA-E.

A taxa de Coleta, Remoção e Destinação de Resíduos Sólidos Domiciliares é inclusa no carnê do IPTU.

Contribuintes que são isentos do pagamento do IPTU, que são os aposentados, pensionistas e entidades filantrópicas também são isentas do pagamento da taxa.  

Taxa do lixo  

A Taxa de Serviços Urbanos foi instituída em Campo Grande em 1973, com a aprovação do Código Tributário Municipal, e passou a ser cobrada em 1974.  

Desde 2012, ela foi dissociada da taxa do IPTU, apesar da cobrança ser feita no mesmo carnê, em atendimento a determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) de que o serviço de coleta de lixo domiciliar deve ser remunerado através de taxa, visto que se trata de atividade específica e divisível, de utilização efetiva ou potencial, prestada ao contribuinte ou posta à sua disposição.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande