Deputado toma pau e Justiça libera curso sobre ‘golpe de 2016’ na UEMS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Pedido de Catan foi considerado censura pelo Supremo Tribunal Federal

O deputado estadual e advogado João Henrique Catan (PL) perdeu no STF (Supremo Tribunal Federal) ação popular que tentava censurar a liberdade de pensamento e de ensino de professores e alunos da UEMS. 

O parlamentar e apoiadores pediram, em 2018, o fim do curso intitulado “Golpe de Estado de 2016, conjunturas sociais, políticas, jurídicas e o futuro da democracia no Brasil”, que tinha como objetivo analisar o período histórico que levou à ruptura institucional e ao processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Com a inicial ação o curso foi suspenso por decisão de primeira e segunda instância. As aulas seriam ministradas por professores de Paranaíba e Campo Grande, alguns deles presos políticos durante o golpe militar de 1964, e uma professora búlgara, egressa da UEMS.

Porém, em julho deste ano, acompanhando o relator do processo, ministro Luiz Fux, o STF desconsiderou as decisões do TJ/MS e autorizou a retomada do curso.

Os ministros julgaram improcedente a ação popular por ela violar a liberdade de expressão, o princípio da autonomia da universidade e a autoridade do entendimento do próprio Supremo Tribunal Federal.

Para isso, o docente da UEMS Alessandro Prado e o advogado Edgar Gonçalves, alegaram no recurso que a ação popular encabeçada pelo deputado Catan contrariava o entendimento do STF firmado na ADPF 548 (Arguição de descumprimento de preceito fundamental), em maio deste ano.

No Julgamento unanime de procedência do mérito da ADPF 548 a relatora, ministra Cármen Lúcia, afirmou que as decisões judiciais referentes à arguição violavam o princípio constitucional da autonomia universitária e eram contrárias à dignidade da pessoa, à autonomia dos espaços de ensinar e aprender, ao espaço social e político e ao princípio democrático.

“Sendo práticas determinadas por agentes estatais (juízes ou policiais) são mais inaceitáveis. Pensamento único é para ditadores. Verdade absoluta é para tiranos. A democracia é plural em sua essência. E é esse princípio que assegura a igualdade de direitos na diversidade dos indivíduos”, destacou a ministra.

 Baseado neste entendimento, o STF cassou as decisões dos juízes e desembargadores e autorizou a retomada do curso.

Fonte: TOP MÍDIA NEWS
Por: Vinícius Squinelo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande