Dinheiro para ampliação em saúde e educação já estão previstos no Orçamento de 2021

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp
Aumento de 8,15% no orçamento para 2021 eleva as contas municipais para R$4,6 bilhões

Enviado à Câmara Municipal nesta semana, com aumento de 8,15% em 2021, o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) prevê investimentos maiores em áreas como urbanismo, saúde, educação e cultura.

De acordo com o Secretário de Finanças municipal, Pedro Pedrossian Neto, serão investidos R$100 milhões de reais, por meio de recursos do Banco Internacional de Desenvolvimento (BID) no programa Reviva Centro, R$50 milhões para término e ampliação da rede de atenção básica e cerca de R$15 milhões previstos para o término de obras das Escolas Municipais de Ensino Infantil (EMEIs).

Ainda vsegundo a secretaria, o dinheiro o ainda devem contemplar aparelhamento dos novos locais e ampliação de leitos de média e alta complexidade no caso da saúde e construção de novas escolas no caso da educação.

PLOA 2021

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2021 (PLOA) está em discussão na câmara municipal desde esta quarta-feira (18) e deve ser aprovado até o dia 22 de dezembro.

O aumento de pouco mais de 8% previsto pela prefeitura, eleva as contas municipais de 4,3 bilhões aprovado para 2020 para o patamar de 4,651 bilhões de reais em 2021.

Entre as novas despesas estão previstos mais R$50 milhões de reais para a saúde, setor que já gastou em 2020 R$1.5 bilhão.

A despesa com pessoal segue sendo a maior da entre despesa corrente e somada à seguridade social a prefeitura prevê gastar R$2.137 bilhões de reais para o próximo ano. 

Destes, R$1,092 bilhão serão destinados a pessoal e encargos sociais e R$1.045 bilhão para gastos com seguridade.

Apesar da crise causada pela pandemia do novo coronavírus, a prefeitura divulgou em setembro aumento de 13,3% na arrecadação no segundo quadrimestre de 2020. 

Na ocasião, o Secretário de Finanças, Pedrossian Neto, afirmou que os principais motivos para a prefeitura estar com as contas pagas foram o Refis e a ajuda federal.

Tributos como o IPTU, Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) e o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) municipal tiveram alta em comparação com o mesmo quadrimestre de 2019 de 8,41%, 0,97% e 4,86%, respectivamente.

Fonte: CE

Por: Rodrigo Almeida

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande