Vereadora dá golpe de R$ 12 mil e é condenada por improbidade

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Presidente da Câmara na época, Luísa de Lima (MDB), mesmo reeleita, perderá o cargo e terá os direitos políticos suspensos

Luísa de Lima, vereadora pelo MDB, em Bonito, distante 265 quilômetros de Campo Grande, foi condenada por improbidade administrativa, após aplica golpe de R$ 12 mil contra os colegas de Câmara. Reeleita nas eleições de 2020, ela perderá o cargo e terá os direitos políticos suspensos por 4 anos.

Luísa de Lima, vereadora pelo MDB, em Bonito, distante 265 quilômetros de Campo Grande, foi condenada por improbidade administrativa, após aplica golpe de R$ 12 mil contra os colegas de Câmara. Reeleita nas eleições de 2020, ela perderá o cargo e terá os direitos políticos suspensos por 4 anos.

Conforme a denúncia, a presidente teria tentado arrecadar dinheiro junto aos vereadores para pagar suposta propina a inspetores do Tribunal de Contas do Estado para evitar fiscalização sobre pagamento irregular de verba indenizatória de diárias e auxílio-transporte. O suborno não foi comprovado, mas a vereadora justificou ter gasto o dinheiro para pagar consultoria sobre a legalidade de reembolso de despesas dos vereadores.

A contratação de parecer, que legalmente deve ser assumida pela Câmara, não se comprovou e a presidente não provou o gasto supostamente feito por fora e nem devolveu o dinheiro arrecadado, ato que o MPE entendeu e a Justiça acatou como “conduta de improbidade administrativa”.

A vereadora foi condenada com perda de função pública; suspensão dos direitos políticos pelo prazo de quatro anos; multa civil no valor de dez vezes o valor da remuneração que auferia no cargo que ocupava na época dos fatos; além de proibição de contratar com o Poder Público pelo prazo de quatro anos.

Eleita novamente em 2020, Luísa iria cumprir seu quarto mandato como vereadora.

Sumiu com R$ 12 mil – De acordo com a ação, em meados de setembro de 2010, a presidente da Câmara teria convocado reunião exigindo propina no valor de R$ 16 mil para cada vereador, cujo montante seria repassados para fiscais do Tribunal de Contas do Estado com intuito de que os referidos fiscais ignorassem irregularidades nos pagamentos de diárias e auxílio-transporte.

Segundo o MPE, Luísa de Lima teria prometido “quitar a cota de cada parlamentar caso os referidos vereadores apoiassem a reeleição dela para o cargo de presidente do Poder Legislativo Municipal”.

Numa segunda reunião, em outubro, Luísa de Lima pediu que os vereadores dividissem entre si o valor de R$ 12 mil, pois esta quantia representava uma multa que os fiscais do TCE teriam aplicado à Câmara em razão de constatações advindas do procedimento fiscalizatório.

Os vereadores acreditaram na presidente da Câmara, mas ela não comprovou o pagamento da multa.

A reportagem tentou conversar com a vereador, por telefone e em mensagem pelas redes sociais, mas ela não respondeu. A defesa deve recorrer da sentença.

Fonte: CAMPO GRANDE NEWS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Never miss any important news. Subscribe to our newsletter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande