COLUNA : DIREITO DE GRITAR

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

VIOLENCIA DOMÉSTICA?

Em tempos de pandemia e de isolamento e distanciamento social temos assistido pelos meios de comunicação o aumento nos índices crescentes na violência doméstica, não só em nossa Capital, mas em todo o Estado e País.

Muitas vezes a vítima se vê numa encruzilhada terrível, porque se de um lado o marido ou companheiro é o agressor, por outro lado ele é também em muitos desses casos o mantenedor do lar.

Eu sou pai e avô e com a experiência de quem trabalhou por quase quatro décadas no Poder Judiciário vivenciando todos os dias esses dilemas, posso garantir à mulher vítima de violência doméstica que ela não tem escolha diferente de denunciar.

Normalmente as agressões começam com uma palavra mal colocada e vai progredindo até que chegue muitas e na pior das hipóteses, numa agressão que muito das vezes chega ao feminicídio.

O Poder Judiciário de Mato Grosso do Sul está na vanguarda em termos de atendimento a esse público por intermédio de um conjunto de instituições que compõem a CASA DA MULHER BRASILEIRA, a primeira do País.

Lá a vítima terá todo o atendimento necessário que o poder público pode prestar. A começar pelo atendimento humanizado, com atendentes preparadas, Agentes de polícia, Delegadas, Guarda Municipal, Psicólogos, Juíza, Promotora de Justiça, Serviço Social, FUNSAT,  alojamento transitório e provisório para aquelas que não tem nem mesmo um lugar seguro para passar uma noite sequer.

É importante lembrar às mulheres vítimas de violência que às vezes exitam em denunciar o agressor que essa é, inclusive, uma forma de fazer com que o mesmo se recupere, pois em muitos casos o mesmo fora criado em um ambiente de agressões e acreditam que seja o normal, mas não é.

O que ocorre em muitos casos é que após a agressão denunciada e o afastamento do agressor do lar, a mulher por pena do ex-marido ou companheiro e, principalmente por amor aos filhos o aceitam de volta e dentro de sua casa. O Poder Judiciário o tira uma, duas, três vezes e infelizmente em muitos casos só para de tirar o agressor de casa no dia em que ele é levado pela Polícia e a vitima por um rabecão.


Como disse sou pai e avô e como tal, fiz e faço o que for possível para ajudar a meus filhos e neta, mas a mulher não faz apenas tudo o que for possível: ela faz o impossível, até mesmo aceitar o agressor de volta para satisfação, alegria e muitas vezes, pelo sustento dos filhos.

É importante pensar nisso. Todos nós nascemos para ser amados, ninguém nasceu para ser agredida (o), humilhada (o), ultrajada (o), vilipendiada (o) ou mesmo morta (o) por quem jurou amá-la (o) para sempre e a quem ela certamente deu o melhor de si e o melhor dos seus anos de vida.


Tome Consciência: DENUNCIE!

ALDO EURÍPEDES DONIZETE – Advogado

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Recentes no Site

Prefeitura de Campo Grande